terça-feira, 18 de julho de 2017

A ganância está destruindo a humanidade

Para os alucinados que acreditavam na conversa da "Nova Era", a ganância , maior defeito da humanidade, teria desaparecido no século XXI. Grande engano. A ganância não somente segue forte como não é mais considerado um defeito. É um direito vital dos que supostamente lutaram para alçar os maiores cargos profissionais existentes na Terra. Uma espécie de "troféu" para "vencedores".

O desejo de ter mais que os outros, por se achar melhor que boa parte da humanidade, ignorando o fato de que sermos humanos é igual para todos, tem causado grandes disputas e consequentemente estragos em toda a humanidade. Para legitimá-la, instrumentos de todo o tipo são usados. 

Até mesmo os aparentes pueris cultura, esporte e religiosidade são instrumentos poderosos, mas sutis de dominação. Existem para "educar" a humanidade para que respeite a ganância dos mais fortes que tem o "legítimo direito" de ter mais que os outros e mandar nos que estão abaixo. 

Dominação sutil legitimada pelo senso comum

Mas, como eu disse, é uma dominação sutil, que não raramente entra na contradição de reprovar a ganância, legitimando-a. Inclusive, forças aliadas aos gananciosos não cessam de condenar a ganância, através de um moralismo frouxo na essência, mas poderoso na forma.

Boa parte dos valores positivos e negativos que foram oficializados pelo senso comum foi consagrada para que a ganância dos privilegiados pudesse ser preservada. Embora a humanidade toda em sua essência, não estipule diferenças entre as pessoas, o sistema, através dos mais poderosos e dos conservadores que os defendem, alegam que existem vários níveis de humanidade. Uns supostamente melhores que os outros.

O esforço em tentar legitimar a ganância, que é o verdadeiro mal da humanidade é tanto que criaram outro suposto problema, a corrupção, para desviar o foco. Mas ora, a corrupção é filha da ganância. Não é a corrupção a raiz dos problemas. A corrupção é apenas um dos caules. A ganância é a verdadeira raiz que origina não somente a corrupção, mas tudo de errado presente na sociedade.

Apesar de ser a raiz de muitos problemas, ninguém fala em combater a ganância. A palavra carrega um estigma de subjetividade, dando a impressão de ser um conceito relacionado com a opinião de cada indivíduo. Mas ela é um problema real, pois até guerras faraônicas com armas caríssimas são declaradas em nome da ganância. Sistemas fascistas foram construídos sobre a base da ganância. A ganância é fatal e por isso não pode ser ignorada. 

Cultura, esporte e religiosidade: cúmplices dos gananciosos 

Falei que a cultura, o esporte e a religiosidade, apesar de marcados pela positividade, servem para legitimar a ganância através da alienação. Além de alienar (desviar o foco), a cultura coloca uma falsa aura de liberdade ao sistema, o esporte legitima a competitividade e a religiosidade estimula a obediência a uma liderança invisível. Bom lembrar que boa parte dos líderes mundiais (não me refiro a políticos) são desconhecidos da maioria da humanidade.

Todos os meios são lançados para que a ganância seja legitimada. Mas sabemos, é preciso que a ganância seja eliminada de uma vez por todas para que os maiores problemas da humanidade acabem. É infantil achar que podemos ser justos e  felizes com a ganância dos privilegiados.

Criminalizar a ganância seria um bom começo. É preciso repensar nosso senso de moralidade e acabar com os tradicionais conceitos maniqueístas. É preciso entender que a ganância é um tipo de maldade, altamente destruidora e mortífera. Considerar que os mais ricos são vilões em potencial, mesmo que não se comportem como tais e que o supérfluo garantido pela ganância impede que muitos tenham o mínimo necessário.

Enquanto houver pessoas que se acham no "direito" de dominar outras pessoas, mesmo de forma sutil, para ganhar mais que as outras, nada será resolvido em nosso planeta e estaremos sempre presos a um círculo vicioso que adiou para milênios a evolução prevista para o século XXI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.